fbpx

Terminado o 12º ano, a candidatura ao ensino superior não tem que ser o único caminho, existem alternativas à universidade e são essas que lhe vamos dar a conhecer já de seguida.

Alternativas à Universidade

  • Ano sabático (gap year)

É comum acabarmos o ensino secundário pejados de dúvidas sobre o que curso se adapta às nossas ambições e necessidades.

Parar um ano significa, se der utilidade ao tempo disponível, ter tempo para ponderar, pesquisar alternativas e experimentar. Pode passar o seu tempo a perseguir passatempos e interesses que muitas vezes são negligenciados a favor dos estudos – como resultado, pode até descobrir que quer seguir um caminho totalmente diferente.

Para além disso, pode utilizar este ano para melhorar notas ou viajar e conhecer dezenas, senão centenas, de novas pessoas.

Isto pode incluir pessoas a quem podem pedir oportunidades de emprego e referências, ou simplesmente alguns amigos internacionais em cujos sofás podem cair se tiverem a oportunidade de visitar o seu país de origem mais tarde.

  • Arranjar um emprego

Apesar das gerações mais preparadas e habilitadas de sempre, a verdade é que a taxa de jovens desempregados com licenciatura é bastante alta em comparação com os nossos parceiros europeus mais desenvolvidos.

Esta é uma das razões que leva muitos jovens a ponderar alternativas à universidade e, em muitos casos, a preferirem entrar mais cedo no mercado de trabalho e prosseguirem os estudos superiores mais tarde.

Existem também, aqueles cujas ambições não passam por um curso superior e, assim, se entregam ao mercado laboral depois de terminado o secundário.

Seja por questões financeiras ou simplesmente por uma convicção pessoal, esta é a escolha de muitos jovens que acabam por colocar de parte a hipótese de se candidatarem à faculdade após a escolaridade obrigatória.

  • Apostar num curso profissional

Cada vez mais valorizados pelas empresas pelo caráter prático dos seus currículos que preparam os jovens para uma mais fácil e qualificada inserção no mercado de trabalho, os cursos profissionais apresentam ainda uma série de outras vantagens que fazem muitos estudantes optar por esta via ao invés de outras alternativas à universidade.

À semelhança do ensino secundário, a frequência de um curso profissional dá, mediante a realização dos exames nacionais específicos, acesso ao ensino superior com a vantagem de que os alunos já vão rotinados com métodos de trabalho que mais tarde poderão encontrar nas faculdades, mas não só.

Como no currículo de cada curso profissional está previsto que cada aluno realize um estágio em contexto real de trabalho após, ou durante, o ciclo de estudos numa empresa relacionada com o âmbito especifico do curso, a ligação com o mundo do trabalho é mais forte e consequente.

Aliás, de acordo com alguns estudos estatísticos, os alunos das Escolas Profissionais têm uma taxa de inserção profissional superior em relação aos restantes. Um ano após a conclusão dos seus cursos profissionais, 78% dos alunos estavam empregados em contraponto com os 52% dos seus congéneres dos cursos gerais.

A juntar a tudo isto, os cursos profissionais são gizados em articulação com o tecido industrial português. As Escolas Profissionais mantêm contactos privilegiados com agentes económicos do seu mercado envolvente e efetuam promoção direta da integração dos alunos junto das entidades que operam em ramos de atividade relacionadas com a saída profissional dos seus cursos.

Depois de acabado um curso profissional, o aluno continua a ser acompanhado pela escola na sua integração no mercado laboral.

Este acompanhamento envolve a recolha e análise de um vasto conjunto de informação: tipo de função a desenvolver pelo jovem, tipo de relação contratual, expectativas de permanência, progressão na carreira, disponibilização de formação contínua; o que se traduz num importante acompanhamento pedagógico e técnico durante o arranque de uma atividade profissional.

Eis alguns exemplos de escolas profissionais e cursos disponibilizados em Portugal:

– Escola Artística e Profissional Árvore: cursos disponíveis em Design de Moda, Desenho Digital, Técnico de Design de Comunicação Gráfica, Animação 2D e 3D e ainda Multimédia;

– ECP Escola de Comércio do Porto: curso de Técnico Comercial, curso de Técnico de Comunicação e Serviço Digital, curso Técnico de Marketing e ainda curso Técnico de Operações Turísticas;

– ECL Escola Comércio Lisboa: dispõe de cursos em diversas áreas como Organização de Eventos, Vendas e Marketing, Receção Hoteleira, Comunicação e Serviço Digital, Vitrinismo, Informática e muito mais;

– ETAP Escola Profissional: com 4 pólos em regiões do país distintas, esta escola oferece cursos profissionais em áreas como Artes Gráficas, Auxiliar de Farmácia, Cabeleireiro, Design de Moda, Pasteleiro, Desporto, entre outros;

– EPED Escola Profissional de Educação para o Desenvolvimento: curso de Animador Sociocultural, Técnico de Análise Laboratorial, Técnico de Gestão, Técnico de Gestão do Ambiente e Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos;

– Balleteatro Escola Profissional: para quem quer estudar dança ou teatro, esta é a escola ideal;

– Profitecla Escola Profissional: com diversos pólos localizados um pouco por todo o país, esta escola disponibiliza vários cursos profissionais em áreas como Direito e Solicitadoria, Auxiliar de Saúde, Comércio, Vendas e Marketing, Comunicação e muito mais;

– Escola Profissional do Vale do Tejo: disponibiliza cursos como o de Técnico de Cozinha/Pastelaria, Técnico de Turismo, Técnico de Informática de Gestão ou ainda Técnico de Multimédia.