fbpx

Uma candidatura de emprego é, à sua maneira, um ato de sedução que começa logo pela sua carta de apresentação. Aqui não há uma segunda oportunidade para causar uma boa primeira impressão, logo é importante que este seu “cartão-de-visita” seja apelativo.

De forma a ajudá-lo nesta tarefa de sedução e levar a sua candidatura de emprego ao altar, vestimos a pele de casamenteiros e preparamos-lhe uma série de dicas que deve utilizar para escrever uma carta de apresentação de sucesso.

Dicas para fazer uma carta de apresentação

• Pense na empresa e na vaga específica

A carta de apresentação não é um curriculum vitae abreviado, por isso, deve ser adequada a cada empresa, a cada função, a cada futuro empregador e ser, sempre, personalizada.

Procure conhecer a história e os valores por que se norteia a empresa à qual entrega a sua candidatura de emprego. Esta análise deve ser, igualmente, estendida à vaga de emprego de modo a perceber quais os requisitos específicos do posto de trabalho.

Acabado este trabalho de pesquisa e análise, escolha criteriosamente a informação pessoal e profissional que pretende incluir, o vocabulário e o registo linguístico em função do espírito e cultura da empresa:

a) para empresas mais conservadoras, o seu léxico e registo linguístico deverão ser mais formais;

b) para empresas mais modernas e com uma cultura menos rígida, já poderá arriscar um tom mais informal e criativo.

Equilíbrio

Uma boa carta de apresentação deve responder, sempre, a uma pergunta central: “Porque é que devemos contratá-lo?”

Para além de realçar as competências e benefícios de que a empresa irá beneficiar se o contratar, procure fazer uma boa articulação entre essas competências e os motivos que o levaram a candidatar-se.

Atenção, o equilíbrio deve ser a nota dominante em todo o seu discurso. Tenha cuidado com a escolha das palavras e a vanglória que faz das suas competências para não dar azo a que do outro lado pensem que estão diante de um exibicionista.

• Clareza e objetividade

Uma carta de apresentação não é um ensaio académico. Ao escrever a sua carta de apresentação deve apelar ao poder de síntese para descrever a sua formação académica, experiência profissional, interesses e capacidades de modo a que documento seja não só de fácil leitura, como vá direto ao ponto.

A clareza e objetividade são qualidades centrais numa carta de apresentação. Ao descomplicar a escrita estará, igualmente, a descomplicar a leitura e a atrair o recrutador para aquilo que quer transmitir.

Revele os seus melhores atributos de forma simples e equilibrada.

• Honestidade e criatividade

Numa carta de apresentação só devem entrar verdades. De nada vale traçar um guião fantasioso sobre as suas capacidades e interesses. Lembre-se que no momento da possível entrevista tem de haver coerência entre o que diz e o que escreveu.

Isto não significa que a sua carta tenha de se aparentar a um cinzento formulário da Autoridade Tributária. Não, a receita certa passa por juntar à autenticidade uma dose q.b. de criatividade.

As empresas modernas procuram não só profissionais qualificados, mas também pessoas com inteligência emocional, com boa capacidade de gestão de emoções e, sobretudo, com elevada criatividade.

Na escrita da sua escrita da carta de apresentação coloque de lado as introduções clássicas que cheiram a mofo “O meu nome é…; sou licenciado/a em…; Exerci funções de…”. Ao invés daquelas introduções formalistas, opte por soluções “fora da caixa” como terminar a carta como provavelmente começaria: “O meu nome é Pedro Miguel Ferreira e tenho x anos de uma vida feliz e repleta de propósito. Seria uma honra poder trazer o meu valor à Vossa Empresa.”

Revele-se único e irrepetível.

• Revisão

Uma carta de apresentação é, também, uma oportunidade de mostrar ao recrutador que é rigoroso.

Evitar gralhas, erros ortográficos, gramaticais e de pontuação revela um candidato dedicado e perfeccionista.

Incorreções linguísticas, como “ir de encontro às expectativas” (em vez de ir ao encontro das expectativas), “enviarei-lhe o CV” (em vez de enviar-lhe-ei o CV), “estou melhor preparado” (em vez de mais bem preparado) não só mancham a sua imagem como podem excluir de imediato a sua candidatura.