fbpx

As competências técnicas e académicas são a base de um bom currículo, mas o mercado de trabalho atual pede mais, pede soft skills que tragam valor acrescentado à empresa. 

A aposta na capacidade de trabalho em equipa, na inteligência emocional, na capacidade de comunicação e no pensamento crítico são aquilo que se entende como soft skills e, desde há um par de anos, estão a ser cada vez mais valorizadas durante pelas empresas durante o processo de recrutamento.

Apesar de, por si só, estas soft skills não serem garantia de que iremos alcançar os objetivos a que nos propusemos, são ferramentas preciosas no nosso desenvolvimento profissional, especialmente num mundo a sair de uma crise sanitária que pôs a nu a importância da adaptação constante a novos cenários e das relações interpessoais na resolução de problemas coletivos.

Porquê desenvolver Soft Skils?

Como referimos, se recuássemos uns anos, víamos organizações mais preocupadas com as competências técnicas (hard skills), mas tudo isso mudou com a abertura e maior facilidade de acesso à aquisição de competências, nomeadamente as técnicas.

Simultaneamente, o mundo das organizações também é muito diferente daquele que existia há uma década. A velocidade, a complexidade, a incerteza e a forte concorrência são hoje realidades que as empresas têm de gerir diariamente através das pessoas que delas fazem parte, com equipas altamente qualificadas, mas também com capacidade de adaptação, flexibilidade e criatividade.

Deste modo, as outrora olvidadas empatia, a capacidade se relacionar com os outros, a comunicação e a resiliência passaram a ser encaradas como competências-chave pelas empresas e se isto hoje é verdade, muito o mais o será no futuro.

Como desenvolver as suas Soft skills?

Uma boa parte das soft skills são inatas, isto é, nascem connosco, como é o caso da empatia ou da criatividade na resolução de problemas. Tal não significa, contudo, que não possamos ou devamos aprimorar e reforçar as nossas competências neste domínio.

Isto passa, entre outras coisas, por focar-se na solução e não no problema, saber lidar com os obstáculos e encontrar estratégias para vencer, aprender a definir metas e a estabelecer prioridades (uma lista de tarefas diárias pode ajudar) e, acima de tudo, tentar ser flexível.

O mundo, em todas as suas vertentes, está em constante transformação e o mercado de trabalho não é excepção. Se é uma pessoa curiosa por natureza, faça desta soft skill a alavanca para procurar dar mais mundos ao seu mundo e assim preparar a sua adptação a novas realidades e projetos.

Da mesma forma que, a título individual, podemos desenvolver as nossas soft skills, às empresas também está reservado um papel importante em todo o processo.

Através da criação de equipas multidisciplinares, com pessoas de diferentes nacionalidades, diferentes backgrounds, experiências, formações ou crenças, as organizações podem criar o modelo de análise perfeito para experimentar novas formas de estar e ser, fundamentais para o sucesso das pessoas e, consequentemente, das próprias organizações.

Soft Skills que deve incorporar no seu CV

Se não sabe bem que soft skills deve incorporar no seu CV, nós damos-lhe uma ajuda. Segundo os especialistas em Recursos Humanos, estas são as carateristicas que as empresas mais valorizam no momento:

  • Comunicação

Informação é poder, mas comunicá-la com clareza nas suas formas verbais, escritas e até não-verbais é um ponto a seu favor dentro de um ambiente empresarial.

Tenha em consideração que ser um bom comunicador é sinónimo, igualmente, de ser um bom ouvinte. Os profissionais precisam de ser capazes de entender as questões e preocupações dos seus clientes e ouvir as instruções do empregador.

  • Capacidade de trabalho em equipa

Como o combate à pandemia veio provar, nenhum Homem é uma ilha. Quando os problemas ultrapassam a esfera estritamente individual, como é o caso de um problema de saúde global ou de uma máquina que se avaria numa linha de produção, trabalhar em equipa coloca-nos mais perto da solução.

Se há projetos de grupo, é necessário dar-se bem com os outros colegas para levar o projeto a bom porto.

Caso isso não se verifique, o trabalho em equipa continua a ser importante, porque, para alcançar os objetivos da empresa, todos os colaboradores têm de estar alinhados na mesma estratégia organizacional.

  • Pensamento analítico

Mesmo que se trate de um emprego altamente automatizado, será sempre pedido ao trabalhador que seja capaz de entender, analisar e interpretar a informação, e tirar conclusões.

Quanto maior for a sua capacidade de pensar logicamente e estabelecer correlações corretas entre dois ou mais factos, mais fundamentadas serão as suas decisões e mais rapidamente um problema será resolvido.

Ideias, fundamentadas, são à “prova de bala”.

  • Ética

A criatividade é uma soft skill muito apreciada, mas tal não significa ter rédea solta e atuar sem consideração pelas orientações da empresa e pelo trabalho dos colegas.

Os candidatos devem seguir as regras definidas pelas empresa, orientar-se por princípios de honestidade, serem confiáveis e atuarem de forma profissional e responsável. A ética de trabalho não é uma palavra vã, ao anunciá-la na candidatura de emprego e mantê-la no desempenho do seu trabalho, a sua posição sairá solidificada e dar-lhe-á mais espaço e tolerância da empresa na altura de apresentar uma alteração à estratégia e/ou política da empresa.