fbpx

Todos nós, numa ou outra altura da nossa vida profissional, já tivemos que, trabalhar com aquilo a que tecnicamente se denomina de “chefe idiota”. Se nunca soube como lidar com etas criaturas, há um livro que o pode ajudar. Dá pelo nome de “Como Sobreviver a um Chefe Idiota” e é da autoria de Vera de Melo, psicóloga com mais de 15 anos de experiência em consultoria de Recursos Humanos que pretende, com este documento ajudar a lidar e a ultrapassar as adversidades no ambiente de trabalho decorrentes da má gestão dos chefes.

Venha descobrir o livro connosco e saber como lidar com um “chefe idiota”.

Tipos de “chefe idiota”

Segundo a autora, existem seis tipos de “chefe idiota”: os perfeitos; os maquiavélicos, os perseguidores, os paranoicos, os chefes em negação e os “amigalhaços”.

Estas são as suas características:

1- Chefes perfeitos

São aqueles “que se julgam uma divindade. Não são um idiota clássico, mas sim um bem mais refinado”.

Características: “apresentam-se como perfeitos; dão muito valor à imagem, são vaidosos; adoram poder e gostam de ser tratados com deferência; para eles tudo são facilidades e vivem num mundo perfeito; rodeiam-se de idiotas, fieis seguidores; julgam-se donos absolutos da verdade e que só eles são verdadeiramente competentes”.

2- Chefes maquiavélicos

Segundo Vera de Melo, este é o líder que utiliza “a inteligência e a esperteza para chegar ao poder”.

Características: “acham-se demasiado inteligentes; são eficientes e eficazes em ganhar independentemente do bem-estar alheio; o foco são eles próprios e a sua ânsia pelo poder”.

3- Chefes perseguidores

O objectivo de vida desta liderança é perseguir os colaboradores.

Características: “têm prazer em provocar sofrimento e deixar os colaboradores em constante sobressalto; aparecem de repente e parece que estão em todo o lado; a sua actividade preferida é descobrir novas formas de implicar com os seus colaboradores; falta de confiança para com os outros”.

4- Chefes paranoicos

Este chefe idiota acredita “que todos estão a persegui-lo e que tudo e todos se constituem como uma ameaça”.

Características: “procura conspirações contra ele, podendo inventa-las, pois acredita que há sempre alguém a sabotar o seu desempenho; não confia em ninguém e controla tudo ao mais ínfimo detalhe”.

5- Chefes em negação

Este é o chefe em negação, isto é, o chefe que nega ser chefe. Segundo a autora, este é um tipo de idiota “mais frequente do que poderíamos pensar”.

Características: “não manifestam verdadeiro interesse, nem têm grande influência direta no negócio, acabando por delegar todas as tarefas na equipa”.

6- Chefes amigalhaços

Este chefe idiota “quer ser amigo dos colaboradores e, amiúde, confunde trabalho com vida pessoal”.

Características: “impõem a sua presença em eventos, mesmo quando não convidado e pode amuar ou ficar triste; procura o lazer, esquecendo o verdadeiro foco e os objetivos a alcançar”.

Como sobreviver a um “chefe idiota”?

Se reconheceu o seu chefe num destes tipos, o melhor que tem a fazer é continuar a ler o livro e conhecer as dicas que a autora elenca para sobreviver na relação com um chefe destes e “tornar o seu dia-a-dia e a sua convivência no trabalho bem mais fácil”:

  • Não seja um idiota

Como não podia deixar de ser, a primeira dica é: não seja um idiota. Evite todos os tipos de comportamentos que caracterizam um chefe idiota.

  • Pratique a empatia e não fale negativamente do seu chefe

Pratique a empatia com os seus colegas de trabalho e tente sempre perceber a lógica por detrás das decisões dos seus chefes.

Não fale negativamente do seu chefe. Apesar de, por vezes, ser muito difícil conter as emoções negativas em relação ao seu chefe, as consequências desse ato podem ser, no mínimo, desagradáveis, para si. Foque-se no macro, na organização como um todo, e não no idiota em particular.

  • Evite cair no buraco negro da atribuição de culpa e atue

Evite culpabilizar-se. Não entre num ciclo de vitimização em que culpa a seu chefe por tudo o que lhe acontece. Tenha uma visão abrangente e procure focar-se na solução. Informe o seu chefe de forma direta, cordial, objetiva e focada. Em suma, seja, acima de tudo, profissional.

  • Lembre-se, todos os dias, que não é invisível

“Lembre-se, todos os dias, de que não é invisível”. Esta é outra das dicas que Vera de Melo nos dá e que, na prática, significa que é mais vezes alvo de observação do que aquilo que pensa.

Como tal, seja autêntico, discreto e nunca se deixe apanhar sem nada para fazer.

  • Mantenha o bom humor e não implore para que gostem de si

Não permita que ninguém lhe roube o seu bom humor e não implore para que gostem de si. Andar sempre de mau humor ou implorar para que gostem de si fará de si um “chato de primeira” e levará os seus colegas e chefes a perderem a paciência consigo.

  • Apesar de idiota, não considere o seu chefe um inimigo

Apesar de idiota, não considere o seu chefe um inimigo. Uma relação profissional é exatamente isso, uma relação profissional, por isso não misture as águas. O resultado nem sempre é positivo.

  • Não implique com o seu chefe e conceda-lhe primazia na informação

Utilize o seu tempo de forma útil e não a provocar a irritação do seu chefe. Não esqueça de lhe dar feedback de toda a informação relevante para a organização. Trabalhe em colaboração e ajude o seu chefe a atingir os objetivos da organização.

  • Liberte-se da raiva e seja persistente

Coloque as coisas em perspetiva e tente suavizar a sua relação com a chefia. Seja paciente, persistente e pense a longo prazo.

Se nada disto resultar, trocar de emprego será o caminho a seguir.